Portfólio

Como a Altitude Afeta o Desempenho do Carro?

Sabemos através das aulas de física que quanto maior a altitude, menor a pressão atmosférica e quanto menor a altitude maior a pressão.

Devido a menor pressão atmosférica causada pela alta altitude, temos uma menor quantidade de oxigênio por volume na atmosfera, trazendo um ar rarefeito. Isso faz com que o motor passe a receber menos ar e menos combustível para ser queimado no interior de seus cilindros, o que resulta em menos potência. Ou seja, em uma alta altitude o desempenho do carro diminui devido ao baixo oxigênio.

Temos inclusive uma média para saber com precisão o quanto o desempenho será afetado. As potências máximas medidas pelos fabricantes sempre se baseiam ao nível do mar, então se você estiver no litoral norte, por exemplo, estará utilizando da potência máxima do carro, porém se estiver em um lugar a 1.000 metros de altitude, como em Brasília, espera-se haja uma perda máxima de 10%, sem contar um consumo a mais de 10% de combustível. Essa diferença será mais sentida em motores menos potentes como os 1.0, principalmente em viagens de férias, quando estão mais carregados, nesses casos um motor turbo fará toda a diferença.

Muitas vezes acontece de um motorista mais inexperiente passar em uma oficina após as férias reclamando de ter sentido diferença no carro e é justamente devido a esse fator de altitude, o qual realmente altera no desempenho do carro.

Quando sentimos a diferença de desempenho?

Teoricamente, essa diferença é sentida em duas situações: perda de desempenho ao subir uma serra com centenas de metros de variação e ganho de rendimento ao descer a mesma serra rumo ao litoral. De São Sebastião (ao nível do mar) para Campos do Jordão (1.628 m), haveria uma diferença de aproximadamente 16% na potência de um carro.

Porém, vale ressaltar que motores com turbo ou compressor não sentem tanto essas diferenças, pois seus desempenhos não dependem tanto da pressão atmosférica. No caso desse artigo estamos falando de motores aspirados, que são os que não trabalham com sobrealimentação.

Acima de 2.500 de altitude

Até uma altitude de 2.500 metros estamos em uma altura segura para trafegar com nossos carros, porém estamos na América do Sul, onde existem diversas cidades localizadas acima de três mil metros de altitude, que inclusive estão no roteiro de diversos viajantes apaixonados por aventura.

Acima dos 2.500 metros de altitude o oxigênio necessário para a queima de combustível fica mais escasso, fazendo com que o motor trabalhe com uma mistura chamada de “mistura rica” que vai aumentar o consumo de combustível e aumento de emissão de gases, sem contar que o sistema de refrigeração ficará mais sensível a um possível superaquecimento.

Para evitar dores de cabeça a grandes altitudes, é mais do que necessário fazer uma revisão do sistema de refrigeração para que ele esteja redondo antes da viagem. Cheque se o sistema está funcionando e todos os ajustes estão em dia.
Sem contar que é importante evitar o excesso de peso, já que isso evita que o carro perca mais desempenho durante a viagem.

Entendeu como a diferença de altitude afeta o desempenho do carro?

Agora você já sabe o por que seu carro ficou diferente quando você desceu/subiu a serra ou que seu carro vai ficar diferente quando fizer esse tipo de trajeto, que tal planejar sua próxima viagem?

Confira o mapa do litoral norte de São Paulo e se surpreenda com as maravilhas que essa região pode oferecer para seus visitantes como a praia de Maresias, São Sebastião, Ilhabela, entre tantas outras. E aproveite suas próximas férias sem sustos!